top of page

ABEU 196702
CASO RONNIE HILL

I-was-breathless-–-Oriental-North-Carolina-–-the-klew.png

O Condado de Pamlico é um dos 100 condados do estado americano da Carolina do Norte. A sede do condado é Bayboro, e sua maior cidade é Oriental. Possui uma área de 1.467 km² (dos quais 594km² estão cobertos por água). Fundado em 1872, atualmente possui uma população de 12.934 habitantes

 

Foi neste pequeno vilarejo que no dia 21 de julho de 1967, o Jovem Ronnie Hill, então com 14 anos de idade, estava brincando sozinho no terreno dos fundos da casa de sua família protagonizou um dos eventos mais marcantes da ufologia.

 

Enquanto brincava começou a sentir um forte cheiro fétido que encheu o ar local. Segundo Ronnie o cheiro era tão forte que seus olhos começaram a lacrimejar. . O jovem viu então algo que nunca tinha visto antes, uma esfera com cerca de 3m de diâmetro, que estava descendo do céu e pousando num campo próximo. Era esférica e branca. A nave emitia um ruído alto que incomodou os ouvidos de Ronnie.

Pensando, (e com razão), que ninguém acreditaria nele se dissesse que viu um disco voador, ele correu para dentro para buscar sua câmera Kodak portátil (usando filme Kodacolor 126), e com ela acabou tirando a foto do ser alienígena, que já havia saído da nave, carregando algo que parecia uma funil preto com o qual parecia estar “escaneando o terreno”. O alien viu o garoto, mas pareceu não se importar.

A nave tinha um cheiro parecido com o gás propano, mas o que mais lhe chamou a atenção foi o fato do silêncio absoluto. O que é bem conhecido dos que estudam o fenômeno OVNI. Não há som de vento, nem pássaros, cães não latem, nada parece emitir som. É como se algum tipo de campo vibracional anulasse o som ao redor do ufo. Esse fenômeno é descrito em dezenas de relatos de experiências com ufos.

 

O ser alienígena tinha traços asiáticos, possuía uma cabeça grande de formato arredondado com olhos que saltavam de suas orbitas. Vestia um traje prateado clássico com características metálicas. Media cerca de 90cm de altura. A distância entre Ronnie Hill e o pequeno alienígena era de cerca de 4,5 m.

O objeto preto em forma de funil foi abaixado junto ao solo e depois foi recolhido  até a cintura do alienígena que, se virou e caminhou até a nave esférica. Depois disso, o OVNI subiu enquanto emitia uma luz azul cintilante, e depois de ser armazenado em um OVNI maior em forma de disco, voou para longe.

Hill deu mais detalhes sobre o caso, e relatou que eram duas naves, sendo que ele só se deu conta da segunda quando a primeira nave (a do alien) entrou na maior que estava no céu.

CASO SIMILAR

O caso tem similaridade com outro caso envolvendo observação de seres por crianças, o Caso Cussac. No caso Cussac, 2 crianças francesas, uma com 13 e outra com 9 anos, viram uma nave esférica, de brilho branco e odor sulfuroso, de onde saíram estranhas criaturas. No caso Cussac a nave parecia ter 2 metros de diâmetro, estando na escala possível da foto de Ronnie Hill. O caso Cussac ocorreu em agosto de 1967 e o de Ronnie Hill em julho do mesmo ano.

No caso Cussac os aliens também estavam ocupados com algum tipo de varredura. Um dos seres humanoides estava curvado, aparentemente ocupado com algo no chão, e outro segurava um objeto parecido com um espelho. Poderia esse objeto visto pelas crianças francesas ser a esfera que Hill registrou numa única fotografia? É possível.

O caso Cussac também relata a emissão de ruído alto por parte da nave. São muitas semelhanças.

ANÁLISE DO CASO

Em um exame rápido, sobre o extraterrestre e sua nave não existe nada na fotografia que possa utilizar como referência. Nenhuma árvore no fundo, nenhuma casa. Existe algumas linhas verticais na parte superior e no fundo que possamos juLgar o tamanho do suposto extraterrestre. Talvez ele tenha 3 metros de altura? talvez.

 

A suposta criatura tem uma grande cabeça ou estava usando um capacete. Mais suas pernas parecem mais ou menos juntas debaixo do joelho. De fato suas espinhas são invisíveis em alguns pontos, e existe um ponto brilhante e uma linha fraca no lado direito do suposto extraterrestre que tem realmente joelhos nas duas pernas, com um total de quatro pernas. Sua mão esquerda não parecer mostrar muito, e sua mão direita é tampada pelo "objeto negro", que parecer ser semelhante a uma cabaça.

 

                           

 

 

                            Cabaça é a designação popular dos frutos das plantas dos gêneros

                                                                   Lagenaria e Cucurbita.

                                  Outros nomes incluem porongo ou poranga, cuia, jamaru etc.

 

 

O ponto é que a foto está um pouco distorcida, e tem muito pouco contraste, que não permite ver o rosto em sua totalidade. 

 

A extraterrestre está a 4,5 metros ou menos do rapaz, e está parecendo olhar diretamente para ele com os olhos que brilham intensamente.  Porque ele deixou que o menino tirasse uma foto dele? Talvez o extraterrestre não tivesse notado que o menino estivesse com uma câmera fotográfica.

 

O caso foi considerado por muitos como um registro real de um alien, mas igualmente há quem divide e chame o caso de um dos primeiros fakes de alienígenas.


O fato é que não era coisa das mais fáceis forjar uma foto assim naquele tempo com as câmeras primitivas da Kodak. A imagem foi considerada falsa com base em algumas afirmações como: “não há casa ou nenhum objeto arquitetônico que permita extrair as medidas”.  E outra alegação para dizer que a foto é falsa é que o menino foi sagaz para registrar o copyright de sua imagem e garantir seus direitos sobre ela antes mesmo de mandar para a revista.

 

Outros fatores são a reclamação de sempre, da falta de detalhes e resolução da imagem, e também o fato do menino só ter batido uma foto.

Entretanto, o fato do garoto ter escrito o relato, mandado a copia da foto, registrado a mesma para garantir que não lhe passassem a perna, ter botado a cara na história, desenhado mapa e tudo, me faz pensar duas vezes antes de chamar a foto de fraude só porque o garoto não enquadrou o alien muito bem. Ocorre que todo mundo só vê a ampliação. Há poucas referências à fotografia original.

O editor da Ufo magazine enviou os dados e a foto para o pesquisador John Keel que investigou o caso que considerou a fotografia com verdadeira do ponto de vista de não ter sido manipulada.

O ponto é que a fotografia deixa muito que desejar. Mais os entusiastas nos casos de óvnis defendem causas mais fracas. Um menino de 14 anos, a quem os professores e os pais descrevem como um tipo honesto, decente, seria considerado um testemunho confiável?

 

Realmente, nem tanto. A primeira coisa que o jovem fez depois ter sua foto foi conseguir um copyright dela, assegurando-se que todos os benefícios da venda da foto fossem para ele.  Nunca saberemos se Ronnie Hill tirou a foto de um bonequinho no jardim ou se há realmente uma incrível história por trás dessa curiosa imagem.

FOTO ORIGINAL

TENTATIVAS DE MELHORAR A IMAGEM

CARTA E ESBOÇO DO TERRENO ENVIADOS À UFO MAGAZINE

No esboço é possível ver a casa, a biblioteca, o jardim e,

o mais importante, a posição do OVNI e do Ronnie

pamlico-county-sign.jpeg
IMG_20170505_200705633.jpeg
roni.jpeg
I-was-breathless-–-Oriental-North-Carolina-–-the-klew.png
I-was-breathless-–-Oriental-North-Carolina-–-the-klew-3.png
I-was-breathless-–-Oriental-North-Carolina-–-the-klew-1.png
I-was-breathless-–-Oriental-North-Carolina-–-the-klew-2.png
1967JUL21RonnieHill01-960x936-1.jpeg
ALIEN DE RH.jpeg
download.jpeg
bottom of page